25 de outubro de 2010

afiam-se tesouras


dizia o letreiro. 2,5€ cada...


e levei as minhas, as de verdade, aquelas que se podem afiar.

agora estão afiadinhas e cortam bem até nas pontinhas!

e estas são algumas das que andam cá por casa (tenho a certeza que outra tantas se escondem por aí...). nem quero imaginar este número multiplicado por...

alguém se lembra de quando eramos pequenos? quantas tesouras havia em casa? na minha não havia muitas e era comum ouvir: "alguém viu A tesoura?"

22 de outubro de 2010

Marmelada - Bolo de Marmelo


Era para ser marmelada mas afinal ficou bolo. É o que dá querer tocar vários instrumentos da mesma orquestra.

Vi esta foto e quis experimentar. Comprei os marmelos e pela cesta foram ficando. Finalmente, quando os consegui cozer, deixei-os em repouso à espera do dia em que amanhecesse com veia para caldas de açúcar em ponto de areia (seja lá isso o que for).

Bom... esse dia não chegou. Felizmente vejo esta receita neste blog, que encontrei através de um dos meus blogs preferidos de culinária, e achei que devia experimentar.

Claro que como quem conta um conto acrescenta um ponto, a minha receita ficou assim:

bolo de marmelo
marmelos cozidos (eram os da marmelada)
nozes partidas
1 copo de farinha refinada
1 copo de farinha integral
1 copo de açúcar branco
1/2 copo de açúcar mascavado
1/2 copo de azeite
6 ovos
1 colher de café de canela
Bom fim de semana!

13 de outubro de 2010

fiar a nossa lã

Quando comecei a querer fiar lã quis também experimentar o processo desde o inicio: lavar, secar e cardar.
Apesar de ter seguido o caminho mais dificil (porque não é mesmo fácil fazer tudo isto), acho que acabou por me facilitar a vida. Experimentando todo este processo fiquei a conhecer um pouco melhor a fibra com que trabalho.




É com muita pena que vejo que estas artes estão praticamente abandonadas no nosso país. Numa época de crise sem fim à vista, é quase incompreensível ver como proliferam as cooperativas texteis em países da América do Sul por exemplo e nós, na tão cobiçada Europa, não conseguimos fazer o mesmo. Bem sei que as tradições culturais são bem diferentes mas, não será este um dos caminhos? Até para nós portugueses?



Lentamente, continuo a tentar trabalhar com a matéria prima que alguns pastores gentilmente me ofereceram. Acharam-me graça! A "menina" que quer o pelo dos bichos e vai lavar e pentear (como se diz por aqui). Perguntam-me sempre se sou do Norte pois, por estas bandas as lãs não costumavam ser para fio.





Vou aprendendo como posso e com quem sabe e não se importa de partilhar. A Tita, enviou-me esta meada, fiada por ela, com pelo da Flor. Linda! Muito obrigada.


E vou experimentando os fios que teço e imaginando os seus usos.