29 de setembro de 2011

a meio caminho

a meio caminho

agora que já fiei mais lã já posso tricotar a outra meia.

e que bem que se está na praia agora. aliás, por estas bandas, estes dias são sempre os melhores dias de praia: o vento resguarda-se, as pessoas voltam aos seus trabalhos e o mar, esse continua revolto e frio como só ele sabe ser.

ao sol

28 de setembro de 2011

workshop de acabamentos em tricot



Desta vez vou falar de coisas que a maioria das pessoas evita fazer: costuras e acabamentos.

Será uma sessão de trabalho onde iremos aprender ou praticar:

- diversos tipos de costuras – vertical, horizontal, invisível e reforçada e as suas várias aplicações (costuras laterais, ombros, meias, xailes…)

- como levantar malhas – para decote ou mangas

É necessário fazer algum trabalhinho de casa, até para o trabalho nos render mais. Os inscritos deverão trazer:

- 4 amostras iguais, tricotadas e rematadas em malha jersey (um lado em liga outro lado em meia) com cerca de 10*10cm

- 4 amostras com igual número de malhas tricotadas em jersey e com as malhas vivas (por rematar), nas agulhas ou em alfinete auxiliar

- agulha de coser lã

- lã para coser, de preferência de cor escura e sem pelo

costuras laterais #5

nota: todas as amostras devem ser tricotadas preferencialmente em fio claro e sem pelo.

Workshop Acabamentos em Tricot
Sábado, 8 de Outubro
das 14h às 18h
Retrosaria Gourmet
Rua Fernão Mendes Pinto, loja 5
Infantado Loures
Inscrições e Informações:
retrosariagourmet@hotmail.com

27 de setembro de 2011

hoje reclamei

Perdoem-me pois hoje reclamei. Pedi o Livro de Reclamações numa livraria cheia de pais impacientes, na fila de espera para os (ainda) livros escolares.
A culpa é deste meu feitio impaciente e inconformado, que faz curto-circuito cada vez que lhe querem vender peixe estragado como se fosse a melhor iguaria do momento.
Fui levantar os livros há muito encomendados para a filha do 3º ano do 1º ciclo. Não tão espantada (confesso que já ía à procura de problemas), verifico que os livros de língua portuguesa não estão em conformidade com o acordo ortográfico. Menciono levemente a questão à funcionária atarefada ao que me responde não fazer ideia (como se fosse aceitável uma funcionária de uma livraria não ter ainda ouvido falar na questão). Insisto, pelo que ela se vê na obrigação de me chamar à atenção para o facto de a minha encomenda não referir expressamente que queria os livros de acordo com o acordo ortográfico… Desculpe? Como? Minha senhora – digo eu num suspiro profundo – encomendei os livros escolares para a minha filha do terceiro ano e os livros de língua portuguesa não estão em conformidade com aquilo que a professora pretende ensinar, pode trocá-los por favor? Encomendei há um mês os livros para este ano lectivo; parti do princípio que me venderiam os livros com o acordo ortográfico em vigor e não o que foi acordado no tempo das nossas avós! Não. - foi a resposta.
Veio a responsável pela secção (uma senhora que já fazia ideia do que eu falava) e mostrou-me o e-mail da editora. Segundo a Resolução do Conselho de Ministros nº 8/2011 de 25 de Janeiro de 2011, as editoras não são obrigadas a fornecer os livros de língua portuguesa do 3º ano (atenção pois isto é diferente para os vários anos e até diferentes disciplinas) impressas de acordo com o AO.
Ou seja: amanhe-se o encarregado de educação, o professor e o aluno! A pobre editora é que não pode ficar no prejuízo. O professor terá de dizer aos seus alunos que está escrito nos livros mas não é bem assim… é mais ou menos; os alunos terão de acreditar no professor e duvidar do compêndio e os pais terão, claro, de pagar por um artigo defeituoso.
A culpa não é da livraria? Talvez não, mas a reclamação ficou lá na mesma. Agora vou ali reclamar com a editora e de seguida com o Ministério.
“A língua portuguesa é um elemento essencial do património cultural português.” Assim começa a referida resolução. Pelo menos nisto estamos todos de acordo. Ou não?

26 de setembro de 2011

fiar ou tricotar?

handspun escherzade

para quem adora fazer ambas as coisas às vezes é dificil decidir por qual optar. quando então alguém me pergunta qual a minha preferência eu nunca sei o que responder.

mas bom mesmo é quando podemos tricotar com a lã que fiamos!

começar um modelo desenhado por uma amiga e tricotar a lã que uma outra amiga pintou para eu fiar é mesmo uma sorte!

a Angela, uma menina muito talentosa que conheci no Porto e que já me acompanhou numa aventura, está a começar a desenhar os seus próprios modelos. vale a pena acompanhar o seu blog , os seus trabalhos no ravelry e passar na sua loja.


21 de setembro de 2011

a importância de rebobinar

pink

cada dia que passa descubro novos pormenores e novos caminhos neste universo da fiação.

rebobinar uma bobine já fiada pode ser apenas isso, um pormenor e é a sua importância que tenho vindo a descobrir e a testar.

os rolos de papel higiénico são uma das soluções apontadas
rebobinado

mas, para mim não resultam muito bem pois, mesmo no respectivo suporte, não desenrolam bem e não facilitam o trabalho da junção de dois ou mais fios.

o que para mim está a resultar muito bem é fazer esta espécie da maçarocas.

maçarocas

com a ajuda de um berbequim eléctrico (neste caso, uma aparafusadora) e de um ferro consigo enrolar todas as minhas bobines e trabalhá-las com toda a facilidade.

aparafusadora

kate

claro que seria mais fácil se tivesse bobines de tecelagem e respectivo enrolador, mas assim também funciona

e é já neste sábado que recomeço o ciclo de workshops na dotquilts - onde estaremos num novo espaço e teremos a salinha dos workshops de tricot e fiação. o primeiro workshop vai ser precisamente sobre a iniciação à fiação com fuso, onde falaremos deste tema e de muitos outros.
para quem quer iniciar-se nesta paixão, é uma boa oportunidade para o fazer e experimentar o fuso e a roda e também vários materiais que podem ser transformados em fio.

este workshop terá continuação em Novembro (apenas) parta quem quiser aprofundar conhecimentos e fazer novas experiências.
lá os espero!

13 de setembro de 2011

regresso às aulas

o ano escolar começa recheado de ácidos salpicos. bastaram as primeiras reuniões de pais para toda a frescura do Verão se evaporar
assumidamente, deito a língua de fora a quem diz (e escreve) que as escolas públicas são fantásticas! serão algumas - poucas -, e cada vez me convenço mais que a geografia é mesmo um factor importante. esteja relacionada com os grandes centros urbanos, interioridade ou influência da área de habitação, a verdade é que as escolas públicas portuguesas são muito diferentes entre si. há filhos e enteados, atrevo-me a afirmar.
por aqui, começamos com cortes onde achavamos que já não era possível cortar: redução dos horários das auxiliares, cortes nas verbas disponibilizadas, cortes nas viagens de estudo (o plural é mesmo uma maneira de dizer, pois a Junta de Freguesia apenas patrocinava uma deslocação por ano).
por outro lado, as dúvidas e incertezas não obedecem a este clima de contenção! não sabemos ainda se vamos ter funcionária que garanta o prolongamento do jardim infantil, sendo que o horário com que podemos contar é mesmo o das 9h às 15h 30 (se conhecerem algum emprego com este horário, por favor enviem-me um e-mail); nem se estes nossos filhos mais pequenos poderão continuar a aprendizagem da música e da natação, pelos vistos são matérias complementares, dispensáveis à formação das crianças.
a comunicação destas questões é deixada aos professores e a resolução dos problemas é deixada aos pais e encarregados de educação; o bicho papão, aquele grande e gordo do Agrupamento não deu a cara, talvez porque não a tenha mesmo! ficamos novamente a pensar porque o alimentamos e permitimos a sua existência...
no ano lectivo anterior, todos os pais (uns mais do que outros, claro está) se juntaram e melhoraram esta escola. este ano tem todas as salas pintadas, inclusivé os exteriores, muros e gradeamentos, tem mais um contentor-sala (sim, a minha filha tem aulas dentro de um contentor, que já existem preparados para este efeito) que permitiu que uma das salas fosse destinada apenas a servir de refeitório (que não havia), tem as janelas arranjadas e mais alguns pormenores.
todas estas obras foram possíveis, graças a um grupo de pais que mobilizou toda a comunidade, organizou festas e outras actividades para a angariação de fundos.
este ano teremos de nos organizar para manter tudo isto pois as verbas disponibilizadas mal chegam para o inevitável papel higiénico!
aqui faltam, acima de tudo, recursos humanos. Não é possível trabalhar e ter filhos se os horários do pré-escolar forem iguais aos horários das educadoras. Não é possível ficar tranquila, quando sei que há apenas uma funcionária para vigiar o recreio de 100 crianças, por muito boa e experiente que seja!
e como vai ser este ano? Como vair ser daqui para a frente? São os pais que têm de resolver o problema das escolas? Fazem sentido estas uniões de pais?
que o vosso regresso às aulas seja mais tranquilo do que o meu!
agora vou ali enganar o meu espírito, vestir o meu manto da tranquilidade para beijar os meus filhos e deixá-los na escola.

12 de setembro de 2011

do nosso Dia Mundial de Fiar em Público

Bons momentos

o que posso eu dizer que a Fernanda não tenha já dito e mostrado?

Bons momentos

talvez que, antes de mais, não teria existido sem a própria Fernanda, sem a sua energia contagiante e capacidade de organização. a Alma da festa, sem dúvida alguma.
quem a conhece sabe que eu não estou a exagerar! tu não páras!

As 6 mãos


obrigada também a todas as pessoas que vieram fazer com que o encontro acontecesse: só eu e a minha roda não teriamos graça alguma.

um obrigada especial às amigas que vieram no combóio das 8h 50 ;)

Filomena, fizeste o Natal em Setembro! nem tenho palavras para te agradecer mais..

Fiar

Yarn Adventures

Raquel (a próxima vez que nos encontrarmos não terás de te deslocar nem de avião nem de combóio...)

A Raquel com uma meada fantástica...

Alice, foi mesmo um prazer (inesperado) conhecer-te pessoalmente,

Fiar


Carolina e Maria (da Bolas de Tons em Coimbra), Carla e Teresa que se disponibilizaram desde o primeiro momento, obrigada pelo vossa força e companhia.


Bons momentos

a Joana (da Ovelha Negra), a Xana e a Ángela que, por diferentes razões não puderam estar presentes, mas que estão sempre connosco

a Marta de Évora

Fiar

a Paula que diz que não sabe fiar mas já tem uns novelos lindos

Bons momentos

a Mónica (que finalmente conheci) e que também já fia! E que foi a feliz contemplada com o primeiro prémio sorteado.

A Mónica

a minha querida amiga Ana Barata




a Anita, uma menina de 11 anos que aprendeu ali a fiar e no final da tarde já tinha um novelinho de lã fiada. será que ela vai continuar?

às tricotadeiras de lisboa, a quem espero conseguir juntar-me em breve para passar uma tarde a tricotar...

Bons momentos

às amigas que vieram de Cascais, do Cartaxo e de muitos outros sitios... e me deram a conhecer quem está a produzir coelhos angorá, alpacas e outras fibras no nosso país e também fusos de outros feitios e para diversos efeitos.

as irmãs da Meada Dobada, que espero consigam continuar a fazer as suas dobadouras, cardas e outros acessórios



de certeza que me estou a esquecer de alguém muito importante...

afinal ainda se trabalham neste ofícios no nosso país! só temos de procurar um pouco e por os preconceitos de lado: somos um país pequeno, todos dependemos uns dos outros e quanto mais depressa nos apercebermos disso, mais depressa começaremos a viver melhor.

por minha vontade, repito a experiência! para o ano, e continuando a ter essa possibilidade, faço a minha malinha e vou comemorar noutras paragens. talvez mais a norte...




nota: todas as fotos deste post são da autoria da Fernanda e podem ser vistas (estas e mais), aqui. uma das fotos é da Ana Barata.




há mais fotos no flickr da Alice e talvez em mais sitios que ainda desconheço, se quiserem deixar os links, eu agradeço.

9 de setembro de 2011

Dia Mundial de Fiar em Público - com um sorteio e tudo!

b

É já amanhã!

Para quem não segue o evento no facebook, posso dizer-vos que contamos já com a presença de muitas ilustres fiandeiras e tricotadeiras.

Este encontro realiza-se no âmbito da Semana Mundial de Fiar em Publico, comemorada em todo o mundo e também em Portugal!

Este ano o encontro será em Lisboa mas conta com a presença de pessoas de vários pontos do país. Quem quiser apanhar o combóio do Norte, ainda está a tempo e pode saber pormenores aqui.

Será no Parque Tejo que se situa na parte Norte da Expo, logo depois da Torre Vasco da Gama (sentido Lisboa – Sacavém). Quem vem de carro pode deixá-lo na Travessa Corto Maltese ou na Travessa Sandokan. Quem vem a pé, fica a pouco mais de 1km da estação do metro e dos comboios.
Depois é só dar um passinhos em direcção ao rio e lá estaremos, a partir das 14h 30 e até nos apetecer.

Durante a tarde faremos o sorteio de um saco Owlmania , recheado de surpresas Dona Maria, Yarn Adventures e Tricotadeira

Durante todo o dia de Sábado, terei disponível o 938079615.

Até amanhã!

5 de setembro de 2011

Dia Mundial de Fiar em Público

Dia Mundial de Fiar em Público

Sábado, dia 10 de Setembro
a partir das 14h 30

Já está escolhido o jardim!
Será no Parque Tejo (ver o link do mapa)
Situa-se na parte Norte da Expo, logo a seguir à Torre Vasco da Gama (sentido Lisboa Sacavém).
Quem vem de carro, pode deixá-lo na Travessa Corto Maltese ou na Travessa Sandokan (travessas da Rua Ilha dos Amores); quem vem a pé fica a pouco mais de 1km da estação do metro e dos combóios. Basicamente, é seguir o rio no sentido LIsboa-Sacavém, não é nada complicado.

Depois é só dar uns passinhos até à relva e procurar por uns quantos fusos e rodas. A partir das 14h 30 lá estarei em muito boa companhia já confirmada!

Dúvidas? Ver aqui ou perguntar para o meu email rosario_albuquerque@yahoo.com