9 de abril de 2010

A minha história no tricot

Já tenho explicado isto a várias pessoas.

Quem me ensinou a fazer tricot foi a minha mãe; ensinou-me os pontos básicos e como se começa e acaba um trabalho. Nada de grandes técnicas pois as suas artes eram (e são) outras.

Quem me ensinou a fazer camisolas foi a mãe de umas amigas de infância. Lembro-me muito bem "se queres aprender tens de fazer tudo como eu digo". Foi comigo comprar as agulhas, tinham de ser circulares (era a novidade da altura) e as lãs numa loja num 1º andar dos Restauradores. Ensinou-me a sua receita que eu segui durante anos: começas pela frente, preparas o decote, continuas pelas costas e fechas. Depois, apanhas as malhas e fazes as mangas. Receita simples e rápida ideal para adolescentes apressadas. Assim, fiz várias camisolas sempre na cores (ou falta delas) da moda.

Mais tarde, foi outra mãe que me ensinou aquilo que eu já há muito queria aprender. Aí, já com mais calma e dedicação aprendi outras maneiras de começar e acabar, juntar cores, torcer os fios, coser.

Depois estive muitos anos sem fazer nada. De vez em quando surgia a vontade de voltar a pegar nas agulhas, mas nada de sério.

Foi com a minha terceira gravidez que recomecei com força. Nesta gravidez fiquei bastante tempo em casa e, talvez por ser inverno (o meu único bébé de inverno), dediquei-me novamente ao tricot.

Comecei por querer fazer umas botinhas. Foi aí que fiz algumas descobertas. Descobri este admirável mundo dos blogs. Até aí desconhecia em absoluto este aspecto da internet. Descobri que havia muitos blogs sobre tricot, muita gente a fazer coisas (especialmente mulheres), muita gente que vivia disso (especialmente estrangeiras). Foram descobertas atrás de descobertas.

Já lá vão quase 4 anos e continuo a surpreender-me com aquilo que se pode aprender apenas com meia dúzia de clics.

O meu desconhecimento em relação ao tricot era enorme. Foi com grande espanto que vi que o modo de fazer tricot não é igual em todo o mundo. Para mim era simples: ao pescoço ou num alfinete. Não fazia ideia que podia ser de outro modo. Tenho descoberto outras maneiras de fazer malha, algumas bem engraçadas, e muitas, mas mesmo muitas novas técnicas. Não há um único dia em que me sente aqui e procurando um pouco não consiga aprender algo de novo. Acho fascinante o tricot circular, que elimina as tão terríveis costuras. Afinal, aquela ginástica que eu fazia com as agulhas circulares, para conseguir tricotar o decote, tem um nome técnico "magic loop" ou laço mágico, como dizem os nossos irmãos brasileiros.

Recentemente comprei o meu primeiro conjunto de 5 agulhas (o primeiro de muitos, devo dizer) com o objectivo de tricotar meias. Das meias passei para outras coisas que, de facto, com estas novas ferramentas se fazem com muito mais facilidade, as mangas, os gorros, as luvas, tudo isto é muito mais fácil se for feito em tricot circular e com 4 ou 5 agulhas, conforme nos der mais jeito.

Hoje, e involuntariamente sem o emprego que sempre tive, o tricot começa também a fazer parte da minha vida profissional. Como aqui tenho divulgado, tenho feito alguns workshops onde pretendo transmitir aquilo que sei. São sessões de aprendizagem técnica e não de execução de projectos, como muitas pessoas estão habituadas. Mais do que um modelo a seguir, gosto de explicar as técnicas, o caminho a seguir. Não fosse Portugal o país que todos sabemos e talvez fizesse disso profissão.

Por causa do tricot (e de outras manualidades) tenho conhecido pessoas, muitas pessoas e todas diferentes! Tenho visto com grande satisfação o aparecimento de novas lojas, espero que se mantenham por muitos e bons anos.

Tenho visto também que fora de Portugal, o tricot é visto de uma forma muito mais "sem preconceitos" do que cá! Tantos blogs famosos o demonstram. Há até homens que fazem malha e com grande sucesso!

Tivesse eu hipótese... e de certeza que iria aqui . O UK Knit Camp 2010, Universidade de Stirling na Escócia entre 9 e 14 de Agosto. É uma excelente oportunidade para ter aulas e assistir a workshops por verdadeiras especialistas na matéria!

Divulguem e tricotem!

10 comentários:

  1. Ola Rosario!
    O que dizes e bem verdade. Tambem eu tenho aprendido bastante no mundo dos blogs e da internet, mas quando digo que aprendi a fazer meias atraves do youtube as pessoas nao acreditam...
    Beijinhos
    Manuela

    ResponderEliminar
  2. Bem, no meu caso já nem sei quem me ensinou a fazer tricot e não tenho a certeza de ter sido a minha mãe. Como tu, também eu aprendi muito neste maravilhoso mundo da net e com ele acabei por te conhecer o que muito me agradou. Espero que um dia aqui em Portugal tudo mude e que quem gosta tanto desta arte como nós, possa dedicar-se um pouco mais.

    Bjs

    Mónica

    ResponderEliminar
  3. Compreendo bastante aquilo que dizes. Eu aprendi com a minha tia, tinha uns 8 anos e depois com a minha mãe(embora a minha mãe não seja perita) e desde que descobri este mundo na Internet percebi que não sei nada! Também só sei tricotar com o fio no pescoço (aqui acho que "burra velha não aprende línguas" hi hi hi). Abrem-se tantas possibilidades! Recentemente descobri o Ravelry.com e já tenho montes de projectos que quero fazer.
    Obrigada pela partilha.
    Ah, os carapaus estão com óptimo aspecto, é das minhas comidinhas preferidas :)
    Bjinhos
    Sofia
    http://mundodasofia-handmade.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  4. Ola
    Gosto muito de visitar o blogue por 2 razoes:ó mesmo e muito intresante e a dona é de Santa cruz(praia que eu adoro e visito de vez em quando)
    Bjs
    Paula

    ResponderEliminar
  5. A tua história é semelhante à minha... Mas é bom estarmos sempre a aprender, o que agora está bastante facilitado pela net! ;o))

    ResponderEliminar
  6. Oi!!!

    Me deu vontade de aprender a tricotar...

    Seu blog e uma graça. Senti q vc escreve com coração!

    :)

    ResponderEliminar
  7. Olá!

    Que giro como as histórias são semelhantes,
    eu aprendi a tricotar com a minha avó materna, no entanto era muito nova, devia ter 6 ou 7 anos e só com a gravidez é que o vicio.

    Beijos Grandes continua a inspirar-nos

    ResponderEliminar
  8. Já não visitava o blog há algum tempo e soube-me tão bem ler os posts mais recentes!
    Parabéns Rosário, o "Dona Maria"está a ficar cada vez mais interessante.

    ResponderEliminar
  9. Obrigada pela partilha, Rosário!
    Eu aprendi com a minha mãe ou com a minha avó, nem me recordo e ao longo dos anos o tricot esteve adormecido. Um pouco por vossa (patchminas - especialmente da Batixa) culpa ressuscitei as agulhas no inverno que só agora nos deixa e de certeza que o bichinho vai ficar por cá mais algum tempo - só tenho de perder a preguiça e a falta de paciência para o faz-desmancha...

    ResponderEliminar
  10. Também muito tenho aprendido aqui na blogosfera! É um mundo sem limites, muito inspirador e que permite constantemente novas aprendizagens. Fiz tricot quando estive grávida dos meus filhos e depois nunca mais fiz. Depois desta leitura estou tentada a "mergulhar" em novas aprendizagens de tricot, até porque cada vez que vou comprar materiais para os meus trabalhos fico fascinada com o colorido das lãs! Bom fim de semana :)
    Sofia

    ResponderEliminar