31 de julho de 2009

Triangulos isósceles em patchwork

Desde que comprei estes paninhos que os imaginei em forma de triangulos... mas não uns triangulos quaisquer! Não daqueles que se fazem de quadrados; estes teriam de ser especiais porque adoro os tecidos.
Quero que sejam isósceles mas isso não é tarefa fácil, pelo menos para mim. Já perdi a conta às vezes que os cosi e descosi. Não consigo que batam certo, tem por certo um preceito que desconheço.

Ou encontro um tutorial on-line que me ajude ou terei de os imaginar numa outra qualquer forma geométrica!
Valha-me o mimo de uma amiga. Obrigada Ana :)

30 de julho de 2009

Almofadas

Mais almofadinhas, desta vez azuis.
Também resolvi transformar o meu primeiro 9-patch numa almofada pequenina.
Para quem também for dar voltas para os Algarves, dê uma espreitadela aqui.
Já agora, alguém sabe como funcionam estas mini-máquinas?

29 de julho de 2009

Dreams


"To accomplish great things, we must not only act, but also dream; not only plan, but also believe." Anatole France
via Turkey Feathers

26 de julho de 2009

Gostas de amoras?

Enquanto espero pelas férias vou fazendo uns trabalhinhos, alguns não posso mostrar, são para um projecto altamente confidencial!
Outros aqui estão... numa onda rosa

a onda azul já não foi a tempo de ser fotografada.

17 de julho de 2009

Leituras de Verão

O Verão convida à leitura. É nesta altura que, mesmo uma pessoa como eu com três filhos pequenos, se consegue por a leitura em dia. Bom, em dia não digo, mas ler mais qualquer coisa. A brisa do mar, a espreguiçadeira junto à piscina, tudo excelentes locais para não fazer outra coisa senão ler; um olho no livro outro nos miúdos.
Por passarmos férias em casas geminadas, costumo ler os livros que a minha sobrinha mais velha me vai emprestando. Grande consumidora ela; acho que - durante as férias - faz quase tantas viagens à livraria como eu ao hipermercado... :) Pelas mãos dela já li boas histórias. Adorei a da Papisa Joana, conheci os romances da italiana Sveva Casati Modignani que combinam a culinária com um bom romance ou história de vida, combinação que eu adoro.
Este ano levo, para começar, um livro de um autor português que eu nunca li A Vida num Sopro de José Rodrigues dos Santos. Foi a minha mãe quem mo emprestou depois de eu lhe ter feito umas perguntas sobre Espanha na época do Franco.
Aliás, estou pobre em leituras de autores portugueses.
Confesso as minhas vergonhas, o único livro que li do premiado escritor José Saramago foi mesmo o Ensaio Sobre a Cegueira. Não por falta de interesse. Já tentei várias vezes ler o Memorial do Convento e cheguei a meio de As Intermitências da Morte. Pelo meio acontece sempre algo que me faz parar, não é culpa do autor por certo, admito a minha culpa. Vou continuar a tentar, até porque é um dos autores preferidos do meu pai e é apaixonante ouvir os seus comentários cada vez que acaba de ler um dos seus livros.
Aconteceu-me o mesmo com Eça de Queirós. Comecei por ler Os Maias, que era de leitura obrigatória no liceu. Não gostei nada, tive imensa dificuldade com toda aquela descrição incial, achei muito chato. Nunca mais peguei neste livro, nunca o li, mas peguei em todos os outros. Já li e reli a grande maioria dos livros do Eça e é sempre com grande prazer que o faço. Continua tão actual, quem pode conter uma gargalhada com o final de A Relíquia?

E Vocês? O que levam para ler nas férias?

16 de julho de 2009

Mais hexagonos e paper piecing



Não é que eu precise de mais um projecto lento... mas esta técnica é mesmo viciante e pode fazer-se em qualquer sítio!

10 de julho de 2009

Red Cable Cardigan

Vamos ver se é desta!

Necessidades extremas

Hoje de manhã, quando estava a arrumar o quarto dele, reparei na mesa. Só afastei os restos de plasticina para tirar a fotografia, de resto ficou tal e qual como ele deixou (lá dentro há mais).

Tenho de comprar uma garagem para o meu filho... urgentemente!
A filha mais velha também PRECISA de um telemóvel, daqueles que abrem assim. Precisa tanto que quer ír comprá-lo este domingo.

Pragas

Adoro hortas, terra, vasos, plantas, especialmente as que me são úteis. Um dos meus sonhos era ter uma horta e poder fazer as minhas saladinhas e sopinhas com coisas que eu própria conseguisse fazer crescer.
No entanto, a realidade tem sido outra. Não há nada que cresça saudável nos meus vasos. Esta Lúcia-Lima, um dos meus chás preferidos, está doente, as folhas estão amarelas e encarquilhadas. Tem mosca-branca, segundo me informaram uma praga das mais difíceis de combater.
Nem a hortelã, que costuma ser ela própria uma praga, parece resistir a esta maleita.

A única que tem escapado é este vasinho com phisalis, fruto engraçado mas sem grande sabor. Vale pela inquietação de comer um de quando em vez.

8 de julho de 2009

Faltou-me um bocadinho assim...

...para que pudesse ser uma almofada só de triângulos.
Ando a experimentar algumas técnicas; ainda não sei bem como vou usar os meus tecidos cor-de-rosa: quadrados, triângulos?

E desde que vi esta manta linda, fiquei com vontade de lhe juntar VERDE!

3 de julho de 2009

Esta manhã...

...em vez de ver como se faz, resolvi fazer mesmo. Uma almofadinha feita com o swap da Zélia e a prendinha da Patrícia.
Perde-se tanto tempo na internet...

FIA

Ontem fui à FIA.
Já tenho estado a ler isto em mais sítios mas, de facto, o que mais gostei de ver este ano foram os expositores portugueses. Não sei se ía mais desperta para o que é nacional ou se realmente as coisas estão a mudar e estamos finalmente a começar a valorizar o que por cá se faz.
Do que vi, destaco com toda a certeza a exposição do IEFP que expõe bons trabalhos. Enquanto via tudo com muita calma chamaram-me à atenção para a atribuição dos prémios e menções honrosas; trabalhos feitos à máquina melhor premiados do que os feitos à mão... dizia o senhor "é mesmo de quem não sabe como se faz!". Talvez tenha razão.
Também gostei de ver as artesãs dos bilros. Parece que manuseiam tudo ao calhas, de tão rápidas que são. Para quem quiser aprender a Câmara de Peniche oferece as aulas. Parece que são dadas no jardim perto do Quiosque do Turismo.
Vão ver! a Feira está aberta até Domingo.

1 de julho de 2009

Hexagonos e paper piecing

Só para ír fazendo o gosto ao dedo...
Confesso que quando a Rita explicou esta técnica no 1º workshop eu pensei cá para mim, hum... coser à mão... não faz muito o meu género... Nem prestei muita atenção. Mas, afinal é muito engraçado. Até a miúda mais velha me pediu para lhe por umas "coisas dessas" no chapéu!